Aprenda a negociar as dívidas!

16 de agosto de 2019 às 15:48Artigos

Ter dívidas as vezes é inevitável, mas é essencial aprender a negociar para não ficar atolado de dívidas que você não conseguirá pagar. No entanto, muitos não fazem a mínima ideia de quais passos seguir para que a negociação seja vantajosa. E por isso é importantíssimo saber como contornar uma conta que parece impagável.

O conteúdo tem como intuito ensinar as pessoas a tomarem as decisões corretas nessas situações para que o futuro não seja ainda mais prejudicado por um acordo mal feito.

Portanto, não se preocupe se você estiver com alguma dívida com cheque especial, cartão de crédito ou outras. É muito normal as pessoas se endividarem, o importante é aprender a cuidar do dinheiro da maneira correta.


Como negociar minhas dívidas?

Sempre começando pelo início, crie listas, elas te ajudarão a reorganizar o orçamento. Pode abusar, tudo ficará mais fácil a partir dai.


5 dicas para listar as dívidas

• Liste tudo o que você deve em cartões de crédito, cheque especial, carnês, boletos, empréstimos e financiamentos;

• Faça uma tabela com o orçamento mensal. Anote tudo o que entra e sai da sua conta durante o mês;

• Liste as contas essenciais, que não podem ser cortadas de jeito nenhum. Então, veja com o que você tem gasto muito dinheiro e corte os gastos. É preciso saber quais são as despesas desnecessárias, elas aliviarão muito a sua folha no final do mês;

• Ganhar uma renda extra pode ajudar muito também. Por isso, liste algumas ideias que podem gerar mais dinheiro. Nessas horas qualquer coisa é bem-vinda, por isso esteja preparado para arregaçar as mangas e começar a ralar de verdade;

• Faça uma lista de tudo o que pode ser vendido. Se livre de itens que não são essenciais no dia a dia.


Estabeleça limites para negociar melhor

O ponto que todos concordamos é que todo mundo quer ficar com a conta azul no final do mês, sem nenhuma dívida para incomodar ou atrapalhar as férias tão esperadas.

Pense assim, você já sabe o quanto deve, agora só precisa se organizar para saber com quanto poderá arcar. NÃO ASSUMA NADA QUE VOCÊ NÃO CONSEGUIRÁ PAGAR apenas para se livrar mais rápido da dívida.

Para conseguir quitar essa despesa de uma forma mais ligeira busque sempre negociar um desconto no valor total. É lógico que ninguém irá dar uma grande aliviada, mas isso já ajudará na hora de impor limites.

 

Considere os imprevistos

Outra coisa muito comum é que as pessoas até definem um plano a ser seguido, porém não consideram as pedras no meio do caminho e esquecem de criar um plano B. Gastos com reforma, perda de emprego e despesas familiares são algumas das causas que fazem com que as contas acumulem.

Nesses casos, geralmente acontece que as coisas não saem como planejado e as pessoas acabam tendo que recorrer para outras maneiras de quitar os gastos e acabam por se endividar ainda mais.

 

Defina prioridades

É preciso que o endividado entenda que nem sempre será possível quitar todas as dívidas de uma vez. Por isso é tão importante definir prioridades.

Nesse sentido, as dívidas com juros maiores devem tomar a frente na hora do pagamento, como: cheque especial e cartão de crédito que possuem altíssimas taxas de juro. Financiamentos, como o da casa ou o do carro também devem ter preferência.

A explicação para dar prioridade aos financiamentos é porque os bens podem ser dados como garantia e a falta de pagamento pode fazer com que você os perca para os bancos.

 

Determine uma estratégia para negociar as suas dívidas

Antes de começar a negociar, pense nos motivos que você dará e tenha sempre consigo papéis que comprovem as suas razões. Pense em uma lista de perguntas que você deve fazer na hora, para que nenhuma dúvida permaneça e para definir quais serão as melhores saídas.

• Qual será o desconto, em percentual, sobre a dívida total?

• Posso ter um desconto maior caso decida pagar à vista?

• Quais serão os juros em caso de parcelamento?

• Em quanto tempo terei a minha situação regularizada no Serasa depois de ter pago tudo?

• Receberei uma carta de quitação quando pagar?

Não decida nada por impulso caso ainda haja alguma dúvida. Peça que a proposta seja feita por escrito, leve ela para casa e tire um tempo para analisar quais são as melhores saídas, pense em contrapropostas e decida qual o melhor caminho a ser tomado (aquele que as suas contas melhor se adequarem).


6 dicas para evitar novas dívidas

• Não aceite o crédito fácil que muitas vezes as organizações oferecem com taxas maiores;

• Sempre deixe a planilha das suas contas bem organizadas;

• Equilibre as despesas e receitas e corte os excessos;

• Sempre tenha uma reserva para os imprevistos que podem surgir;

• Evite fazer novas dívidas quando o dinheiro entrar como o 13° ou a rescisão. Use esse dinheiro para pagar as dívidas já existentes, poupe para imprevistos ou junte para comprar à vista.

 

Conclusão

O ponto primordial a ser entendido é cuidar do dinheiro para que as dívidas não surjam de uma maneira que você não consiga resolver. Novamente, se endividar é uma coisa normal, contudo é preciso saber que essa é uma conta com a qual você conseguirá arcar.

Além disso, não dê um passo maior que a perna, compre apenas aquilo que realmente é necessário.

Caso precise negociar alguma de suas dívidas, entre em contato com a gente, saberemos chegar a um meio termo que seja benéfico para os dois lados!    

Outros Artigos

Qual a importância em economizar dinheiro?

Economizar dinheiro é tão essencial, porém as pessoas esquecem disso e acabam por não ir atrás de aprender. Não seja um deles!

Veja Mais

Resolva suas pendências

Suas parcelas estão atrasadas? Seu nome está no SCPC? Então, negocie sua dívida. Se preferir, basta preencher o formulário, que...

Veja Mais

Educação financeira: Como ensinar as crianças?

Economizar não é o forte do brasileiro, mas começar a ensinar as novas gerações a importância é fundamental! Para isso, é preciso...

Veja Mais